Ads 468x60px

.

Leia a bíblia

terça-feira, setembro 23

EBD 3º TRIMESTRE LIÇÃO 13: A ATUALIDADE DOS ÚLTIMOS CONSELHOS DE TIAGO


EBD –  LIÇÕES PARA VIDA

Prof. Ev. José Roberto A. Barbosa
Twitter: @subsidioEBD



Texto Áureo Tg. 5.16 – Leitura Bíblica Tg. Tg. 5.7-20


INTRODUÇÃO
Tiago conclui sua Epístola apresentando vários conselhos aos seus ouvintes. Na aula de hoje atentaremos para esses conselhos, ressaltando sua atualidade para a igreja contemporânea. O primeiro deles diz respeito à importância da paciência, precisamos aprender a suportar as aflições e esperar em Deus. O segundo está relacionado às orações, devemos interceder por aqueles que estão aflitos, e confiar na eficácia da oração. O terceiro orienta quanto à restauração dos desviados, e também da unção com óleo.

1. A IMPORTÂNCIA DA PACIÊNCIA
Em uma sociedade imediatista as pessoas não têm mais paciência para esperar. A mensagem de Tiago, a esse respeito, é bastante pertinente. Devemos aguardar, sobretudo, a volta do Senhor Jesus, sem perder a esperança (Tg. 5.7-11). Nos atuais há aqueles que não mais aguardam a vinda do Senhor, tornaram-se tão secularizados que são incapazes de se voltarem para as verdades espirituais. Essa esperança nos coloca em uma posição ética, principalmente no uso da língua, tendo o cuidado de não fazer juramentos inapropriados (Tg. 5.19). A paciência do agricultor deve servir de inspiração para todos os cristãos, considerando  que somos desafiados pela Palavra a ter esperança, mesmo diante das adversidades. O agricultor não tem controle do tempo, por isso entrega-se ao Deus da providência que, ao Seu tempo, enviará a chuva. Como cristãos, somos advertidos a frutificar, devemos ser produtivos na fé (Lc. 13.6-9; Gl. 5.22,23). Os profetas de Deus nos deixam o exemplo de paciência, pois mesmo sendo vituperados, não se distanciaram da Palavra de Deus. Estevão, em seu sermão, lembrou o sofrimento dos profetas, que se sacrificaram na defesa da revelação que receberam de Deus (At. 7.52). As perseguições, conforme nos ensinou Jesus, não devem nos distanciar da verdade, muito pelo contrário, somos bem-aventurados por sofrer por causa do Senhor (Mt. 5.11,12). Paulo deixa claro, pera seu filho na fé Timóteo, que todos aqueles que querem viver piamente padecerão perseguição (II Tm. 3.2). O fundamento da nossa esperança está na Palavra de Deus, pois tudo o que nela está escrito serve para constância e consolação, para não perdermos a esperança (Rm. 15.4).Tiago lembra que Jó foi um homem que padeceu muitas aflições, mesmo assim, não perdeu a esperança diante das adversidades, antes glorificou o Senhor (Jó. 13.15). Deus tem Seus propósitos, e para isso permitirá que sejamos afligidos, com vistas à maturidade espiritual do crente (Jó. 42.5).

2. A EFICÁCIA DA ORAÇÃO DO JUSTO
Diante da provação, devemos encontrar conforto não apenas na Palavra, mas também na oração. Ao invés de murmurar, precisamos nos voltar para a oração, buscando consolo na presença do Senhor. Através da oração Deus, de acordo com Sua soberana vontade, pode modificar as situações. Quando Deus não muda o curso da adversidade, nos dá através da oração, a força para enfrentá-la (II Co. 12.7-10). Através da meditação na palavra e na oração Deus alegra o coração do crente, dando-lhe poder para superar os momentos de aflições (Tg. 5.13). A maturidade cristã é medida pela capacidade do crente enfrentar as aflições com fidelidade (Hb. 11). Mesmo diante do sofrimento o cristão pode cantar hinos de louvores a Deus (Jó. 35.10), como fizeram Paulo e Silas na prisão (At. 16.25). Devemos orar pelos nossos irmãos, sentindo suas necessidades, intercedendo pelas suas dificuldades, inclusive cura das enfermidades. Inicialmente destacamos que os crentes não estão imunes às doenças, conforme apregoam alguns adeptos da teologia da saúde. O cristão pode ser afligido por doenças, considerando que estamos em um mundo caído, portanto estamos sujeitos às mesmas intempéries pelas quais passam os descrentes. Nem todas as doenças são resultantes de pecados, algumas delas servem para que o Senhor seja glorificado (Jo. 9.3,4). Mas existem casos específicos de enfermidades que decorrem de pecado, são doenças que se alojam no corpo e na alma por causa de práticas pecaminosas (Tg. 5.15,16). Em tais casos, os presbíteros da igreja devem ser chamados, e o pecador deve confessar seu pecado em arrependimento, e Cristo, o Paracleto, perdoará os pecados, podendo também restituir a saúde (I Jo. 1.9). Em tais casos os presbíteros deverão orar impondo as mãos sofre o enfermo, e a oração da fé, em conformidade com a vontade de Deus, será eficaz na cura do doente (I Jo. 5.14,15). Os presbíteros também devem ungir o enfermo com óleo, e ouvir a confissão daquele que se encontra em pecado. A confissão, no contexto de Tiago, tem um valor terapêutico, através das palavras, o pecador recebe não apenas o perdão de Deus, mas também se desfaz do fardo da culpa.  Não devemos desprezar a oração, pois essa é poderosa em seus efeitos, podemos realizar muito para o Senhor, se dependermos dEle através da oração (Tg. 5.17,18). Tiago nos lembra do exemplo de Elias, que era um homem sujeitos as mesmas fraquezas que temos, mas que confiou em Deus, e teve resposta das suas orações em momento oportuno (I Rs. 18.41-46). A instrução em oração pelos desviados é uma tarefa importante para os cristãos, em amor devemos conduzi-los ao caminho da verdade (Lc. 22.32). Uma das missões dos crentes é arrebatar do fogo aqueles que se encontram em condição de risco ao longo da jornada da fé (Jd. 23).

3. A UNÇÃO COM ÓLEO
A unção com óleo não é uma assunto simples de ser tratado, e tem gerado variadas controvérsias teológicas ao longo da história da igreja cristã. Tiago recomenda a unção com óleo, pelos presbíteros, àqueles que os chamam, para confessarem seus pecados, e obterem saúde, através da oração (Tg. 5.14). É preciso deixar bem claro o que está revelado nesse texto, inicialmente a unção deve ser dada indistintamente, sem que a pessoa tenha solicitado. Não há qualquer respaldo bíblico para a unção de objetos, como acontece em algumas igrejas evangélicas. A unção com óleo não deve ser entendida como um sacramento, como o fazem algumas igrejas, defendendo que essa é necessária para que a pessoa seja salva. A unção com óleo não é suficiente para que alguém seja salvo, a salvação depende da graça de Deus, demonstrada em fé com arrependimento de pecados (Ef. 2.8.9). A unção com óleo, no texto de Tiago, nada tem a ver com extrema unção, trata-se de uma intervenção não para morte, mas para a vida. Devemos compreender o texto também no contexto da época, o óleo era um componente medicinal entre os judeus, associado ao tratamento de algumas enfermidades. Com base nesse princípio, temos respaldo para consultar os médicos, e fazer o tratamento conforme nos é orientado, ao mesmo tempo em que confiamos na intervenção divina, o próprio Jesus lembrou que os doentes precisam de médicos (Mt. 9.9-13). A instrução pra que os presbíteros da igreja orem pelos enfermos, ungindo-os com óleo é uma orientação comum, que nada tem de especial. O próprio óleo em si mesmo não tem poder, independentemente da sua procedência, seja do Brasil ou de Israel. Diante dos excessos que temos testemunhado em algumas igrejas, precisamos manter o equilíbrio espiritual a esse respeito. Não devemos proibir a unção com óleo, mas precisamos reprovar os exageros, compreendendo que sua função principal é restaurar a saúde física, sobretudo espiritual do enfermo.

CONCLUSÃO
Tiago desafia os crentes a viver uma vida cristã autêntica, sobretudo, equilibrada, que se fundamente em extremismos. Seus conselhos são práticos, e nos orientam para uma fé que seja manifesta através de obras. Mesmo diante das adversidades, devemos manter a fé firme no Senhor, que prometeu que retornaria para buscar Sua igreja (Jo. 14.1). Enquanto isso não acontece, devemos resistir às tentações, e ser fortes diante das provações. Na comunidade de fé precisamos ajudar uns aos outros, orando por aqueles que se encontram em condição de fragilidade, restaurando-lhe ao caminho da verdade (Jo. 14.6).

BIBLIOGRAFIA
LOPES, H. D. TiagoSão Paulo: Hagnos, 2006.
WEIRSBE, W. W. Exodus: be delivered. Colorado Springs: David Cook, 2010.

O papel do pastor na conscientização política da Igreja


O Brasil se prepara para as eleições. Em outubro, milhões de brasileiros irão às urnas para escolher os governantes e os legisladores do país. Diante de tamanha responsabilidade para com o futuro de nossa nação se faz necessário e imprescindível fazer uso da “consciência política”.
Na formação e articulação desta “consciência política”, o pastor tem papel preponderante. Como guia responsável pela orientação da igreja é sua missão alertar, informar e esclarecer a membresia. A igreja deve ser educada na doutrina bíblica e também sobre as questões debatidas no Congresso Nacional e Poder Executivo que afrontam o Evangelho de Cristo.
Apesar de a conscientização política estar florescendo, ainda existe na igreja, focos de resistência. Não poucos crentes são contrários ao envolvimento ou a posição pastoral em relação à política. Acreditam que a igreja não pode comprometer-se com o poder temporal sob o risco dos escândalos. Reconheço que existem líderes oportunistas desprovidos da ética que querem levar vantagens de ordem pessoal. Este comportamento deplorável acaba por expor a igreja à vergonha e ao escárnio público. Porém, não é por causa de uma ou mais frutas podres que vamos recusar a cesta toda.
Como a igreja está engatinhando neste mister, cabe ao pastor o uso de sabedoria, cautela, diplomacia e prudência. É importante levar em consideração o aspecto cultural e o grau de instrução da membresia. Suas convicções devem ser ouvidas e respeitadas. Qualquer persuasão só pode ser levada em efeito sob a autoridade das Escrituras.
A conscientização deve partir do pressuposto que somos discípulos de Cristo e devemos andar como Ele andou (1Jo 2.6). Neste caso, é de bom alvitre, perguntar: “Em nossos passos, que faria Jesus?” Será que Cristo apoiaria partidos políticos envolvidos em corrupção e contrários aos valores cristãos? Será que Cristo votaria em candidatos ficha suja? Cristo faria aliança com políticos favoráveis à liberação da maconha, ao aborto e a homossexualidade? 
Cumpro com alegria a nobre missão de pastorear na capital do Brasil. A cultura da cidade é politizada. Os crentes estão familiarizados com as manobras políticas,  Estão informados e atualizados com as questões políticas que envolvem ou afrontam a igreja. Como pastor, não tenho dificuldades em apontar o caminho do bom senso e da ética cristã. No entanto sou consciente que esta realidade não se coaduna entre os evangélicos distantes dos conflitos políticos.
Em virtude desta realidade, às vezes os cristãos ficam receosos de que a politização da igreja possa retardar o cumprimento das profecias. Eles perguntam com sincera preocupação: “Não está profetizado que a iniqüidade vai se multiplicar?”. Ao que respondo, alicerçado no Sermão da Montanha: “Sim, mas enquanto a igreja estiver na terra, temos que oferecer resistência à iniqüidade” (Mt 5.13,14).
Assim, para cumprir o seu papel e vencer suas batalhas a igreja deve estar consciente do confronto espiritual e dos ardis de Satanás. Não podemos ignorar que o mundo jaz no maligno (1Jo 5.19) e que temos o compromisso de ser o sal da terra (Mt 5.13). O mundo ainda não se afundou no lamaçal de miséria moral e na calamidade da insegurança por conta da forca restringidora do Espírito Santo que habita na igreja (2Ts 2.7).
É a igreja de Cristo que detém a espada do juízo divino sobre os moradores da terra. As advertências bíblicas sobre o papel do povo de Deus na restauração da nação incluem clamor e consagração: “Se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face, e se converter dos seus maus caminhos, então, eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra” (2Cr 7.14).
Como já escrevi em outra postagem, levanto a bandeira da conscientização política e do voto consciente. Sou favorável a mobilização evangélica e entendo que o Pastor deve divulgar sua posição coerente com o evangelho. No entanto, lembro que nossa luta não é contra a carne e o sangue (Ef 6.12).
As lideranças devem orientar e conscientizar a igreja politicamente. E ao mesmo tempo, precisam promover o despertamento e o avivamento espiritual. O avivamento liderado por John Wesley (1703-1791), por exemplo, trouxe radicais mudanças sociais na Inglaterra. É preciso ter consciência que o mal a ser combatido é o pecado. Quando a igreja passar a viver e priorizar integralmente os valores do evangelho então viveremos um tempo de mudanças.
Por isso, quando as mensagens nos púlpitos das igrejas deixarem de ser de auto-ajuda e o arrependimento voltar a ser pregado, então vidas serão transformadas. O Espírito Santo terá liberdade para convencer os ouvintes da verdade, da justiça e do juízo (Jo 16.8). Isto acontecerá quando a igreja se recusar a ser um clube de encontros e tornar-se um lugar de adoração. Pecados serão confessados e abandonados. A velha natureza será substituída. Haverá radical transformação e o caráter será revestido “do novo homem, que segundo Deus é criado em verdadeira justiça e santidade” (Ef 4.24).
Quando as lideranças deixarem de se preocupar com o crescimento numérico desprovido de qualidade. Quando a disputa por audiência ou por poder for deixada de lado. Quando os embates para conquistar igreja maior e mais rica forem abandonados. Quando o foco for ajustado para a unidade do corpo de Cristo (Jo 17.21). Quando os crentes começarem a viver para a glória de Deus (1Co 10.31). Quando a ortodoxia cristã for defendida e proclamada (Jd 1.3). Então será possível o verdadeiro avivamento espiritual. 
Deste modo nossa nação sofrerá transformações sociais e espirituais. Os crentes terão consciência de seu papel na terra. Jamais concordarão com erro e o pecado. Em hipótese alguma votarão em partidos ou políticos corruptos contrários ao evangelho. E acima de tudo o nome do Senhor será glorificado: “Tendo o vosso viver honesto entre os gentios; para que, naquilo em que falam mal de vós, como de malfeitores, glorifiquem a Deus no dia da visitação, pelas boas obras que em vós observem”. (1Pe 2.12).
Reflita acerca disto!
Pr. Douglas Baptista
Fonte: CPADnews via Point Rhema


Douglas Baptista é pastor, líder da Assembleia de Deus de Missão do Distrito Federal, doutor em Teologia Sistemática, mestre em Teologia do Novo Testamento, pós-graduado em Docência do Ensino Superior e Bibliologia, e licenciado em Educação Religiosa e Filosofia; presidente da Sociedade Brasileira de Teologia Cristã Evangélica, do Conselho de Educação e Cultura da CGADB e da Ordem dos Capelães Evangélicos do Brasil; e segundo-vice-presidente da Convenção dos Ministros Evangélicos das ADs de Brasília e Goiás, além de diretor geral do Instituto Brasileiro de Teologia e Ciências Humanas.

retirado do blog: oassembleiano.com

domingo, setembro 21

Com que frequência você lê a Bíblia? Só domingo, na igreja?

Com que frequência você lê a Bíblia? Só domingo, na igreja?


Oh! quanto amo a tua lei! É a minha meditação em todo o dia.Salmos 119:97
A Bíblia sem sombra de dúvida é a Palavra de Deus, portando devemos lê-la todos os dias, assim como o nosso corpo não sobrevive sem a devida alimentação, nossa alma também precisa ser alimentada espiritualmente, pois ela tem fome e sede de Deus. A Palavra de Deus nos fortalece, a Palavra de Deus nos edifica, nos alimenta, mata a nossa sede. Salmos 42:2
“O vigor de nossa vida espiritual está na proporção exata do lugar que a Bíblia ocupa em nossa vida e em nossos pensamentos. Faço esta declaração, solenemente, baseado na experiência de cinquenta e quatro anos.” George Muller.
Falamos com Deus pela a oração e Ele fala conosco através de sua Palavra, não podemos esquecer-nos disso. Se digo que sou amigo dele devo ouvi-lo através de sua Palavra.
“Deus não é religião é relacionamento; e Relacionamento tem que haver interação”
Quanto mais contato eu tenho com aquele que chamo de amigo, o relacionamento na amizade aumenta, e para mantermos esse relacionamento é preciso alimentá-lo através da conversa diária. Eu falo, eu ouço. Como eu posso dizer que sou amigo de alguém se não tenho nenhum contato com essa pessoa? Como posso chama-lo de amigo se eu não o busco? Muitas pessoas dizem ser amigas de Deus, mas não conversam com Ele todos os dias, nem O deixa falar através da Palavra. Às vezes ouvimos tantas pessoas, muitas delas estranhas, mas não paramos para deixar Deus falar conosco e ouvi-Lo.
Quando a Bíblia não funciona?
Quando a uso apenas quando me convém; quando a tenho apenas como um amuleto; quando carrego em baixo do sovaco para mostrar que sou religioso. Quando abro no Salmo 91 e ponho em cima da estante, por pensar que assim todo mal fugirá de minha casa. Engana-se quem pensa que o diabo tem medo de salmo algum, deixa eu te falar algo:
O inimigo tem conhecimento da palavra, o diabo não tem medo do livro no sentido restrito, nem tão pouco ele tem medo de salmo algum, pois foi justamente parte deste texto que ele recitou quando tentava a Cristo. Veja:
E disse-lhe: Se tu és o Filho de Deus, lança-te de aqui abaixo; porque está escrito: Que aos seus anjos dará ordens a teu respeito, E tomar-te-ão nas mãos, Para que nunca tropeces com o teu pé em alguma pedra.Mateus 4: 6 Esse texto está relacionado ao Salmos 91:11-12.
Como vimos acima o diabo não teme o livro, mas o que ele teme é “o efeito que as palavras desse livro fazem nas vidas das pessoas que leem todos os dias”. Por isso ele tenta, o tempo todo, fazer com que você não leia, não medite, nem tão pouco faça o que escrito lá está. Você já percebeu quantas dificuldades temos quando fazemos um propósito de estudar a Bíblia diariamente? Percebes que temos tempo para tudo, menos para estudar a Palavra de Deus?
“Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração.” Hebreus 4:12.
Não deixe para meditar na Palavra de Deus apenas aos domingos. Organize-se e perceberás que existe tempo, mas administramos muito mal.
Deus quer falar contigo agora! Corra abra sua Bíblia; mas antes faça a seguinte oração: “Senhor ajude-me através do seu Santo Espírito ouvir o que tens preparado para mim neste dia. Fala que teu servo ouve Senhor no nome de teu Filho Amado Jesus Amém! … Em seguida ouvirás Sua voz nas páginas das escrituras.
“Eu amo a Bíblia, eu leio-a todos os dias e, quanto mais a leio tanto mais a amo. Há alguns que não gostam da Bíblia. Eu não os entendo, não compreendo tais pessoas, mas, eu a amo, amo a sua simplicidade e amo as suas repetições e reiterações da verdade. Como disse, eu leio-a quotidianamente e gosto dela cada vez mais”. Dom Pedro II
“A alma jamais pode vaguear sem rumo, se tomar a Bíblia para lhe guiar os passos.” Napoleão Bonaparte
Deus te abençoe ricamente.
Pb Josiel Dias

segunda-feira, setembro 15

Culto Festivo de Inauguração do Mercantil Gênesis " CONFIRA "


CLICK NA IMAGEM PARA AMPLIA LÁ 





" ATENÇÃO SERRA DO MEL "

Convidamos a todos pra mais um grande culto em adoração ao nosso DEUS, o irmão Elias Rodrigues Junior conta com a presença de todos para juntos adorarmos a DEUS na Inauguração do COMERCIAL GENESIS é neste dia 30 de setembro as 19:00 hs, contamos com a presença de todos.

Estarão louvando a DEUS o Cantor Chagas Sobrinho & Banda Benção,Cantora Kamila káren e Banda Arpejos de Sião e a palavra vai ficar por conto do Pb: Edmilsom Reinaldo
 — com Kamila Káren e Edmilsom Reinaldo.

EBD 3º TRIMESTRE LIÇÃO 12: OS PECADOS DE OMISSÃO E DE OPRESSÃO


EBD –  LIÇÕES PARA VIDA

Prof. Ev. José Roberto A. Barbosa
Twitter: @subsidioEBD




Texto Áureo Tg. 4.17 – Leitura Bíblica Tg. Tg. 5.1-6


INTRODUÇÃO
Vivemos em mundo dominado por Mamom, o deus das riquezas, a adoração a essa divindade tem ceifado muitas vidas. Na aula de hoje estudaremos a respeito desse assunto, ressaltando os perigos de se dobrar diante do dinheiro (Mt. 6.24). Quando se trata de dinheiro, nem sempre os cristãos estão conscientes que podem pecar tanto por omissão quanto por opressão. Por isso, destacaremos nesta aula que há um processo de naturalização desse tipo de pecado, de forma que as pessoas julgam normal a opressão, principalmente dos mais pobres.

1. O PECADO E O PERIGO DAS RIQUEZAS
O mundo jaz no maligno, e o dinheiro pauta as decisões, regidas por Mamom, o deus das riquezas (Mt. 6.24). Há aqueles que querem atenuar o papel do dinheiro nesta sociedade, admitindo que esse é bom. No entanto, a visão de Jesus, em relação às riquezas, é negativa (Mt. 6.19-21), bem como a de Paulo (I Tm. 6.10). Qualquer pessoa sóbria reconhecerá que o dinheiro tem trazido mais mal do que bem à humanidade. Diariamente vidas são ceifadas por causa da busca desenfreada pelas riquezas (Pv. 11.28). Os ricos estão ficando cada vez mais ricos, e os pobres cada vez mais pobres. Entre os cristãos há aqueles que admitem essa realidade como se isso fosse normal. Existem até aqueles que se envolvem em negócios escusos, e querem justificar tais procedimentos como se fosse benção do Senhor. Os recursos que deveriam ser investidos nas necessidades básicas da população, tais como saúde e educação, são desviados para benefício de poucos, resultando em enriquecimento ilícito. A igreja tem sido cúmplice dessa realidade, considerando seu pecado de omissão. Existem até pastores que se beneficiam economicamente das alianças políticas. Na medida em que esses auferem lucros por meio da política corrupta, estão contribuindo para a manutenção de  um sistema opressor, que desfavorece os mais pobres. É uma tristeza chegar aos hospitais públicos, e também atestar as dificuldades pelas quais passa a educação do nosso país. Os filhos dos mais abastados frequentam escolas particulares, nem sempre de boa qualidade, enquanto que as escolas públicas se encontram em condição precária. Se refletirmos a respeito dessa condição, chegaremos à conclusão de que somos todos culpados. Nesses dias que antecedem as eleições, precisamos avaliar bem nossos candidatos. Não adianta votar em um candidato apenas porque é evangélico, é preciso ponderar sobre seu compromisso social. A agenda moralmente evangélica também não é critério suficiente, devemos também averiguar seu preparo para lidar com as demandas dos mais necessitados.

2. PARA OS PECADOS DE OMISSÃO
Tiago destaca o pecado da ilicitude no trato do dinheiro, especialmente quando pessoas são oprimidas (Tg. 5.1). No meio evangélico a famigerada teologia da ganância, geralmente denominada de prosperidade, serve de fomento para propagar a desigualdade social. Existem evangélicos que acham normal ver os pobres passar por carências. Os fundamentalistas tentam até encontra justificativas morais, argumentando que as pessoas são pobres porque se distanciam de Deus. Antigamente se explicava a imponência americana com base em sua formação evangélica. Mas o que dizer da China, que nunca teve um compromisso com a fé cristã, por também desfruta de prosperidade? A relação entre prosperidade e riqueza é falaciosa, não tem qualquer fundamentação bíblica. Existem pessoas simples nas igrejas, que não dispõem de condição financeira favorável, mas que são verdadeiros servos e servas de Deus. Por outro lado, há alguns que têm contas bancárias vultosas, mas que vivem de maneira descompromissada com a palavra de Deus. Os ricos, tanto aqueles que estão dentro das igrejas, quanto os que estão do lado de fora, irão prestar contas diante de Deus (Tg. 5.4). Ter recursos financeiros é mais do que um privilégio, é também uma responsabilidade. Ecoando as palavras de provérbios, Tiago lembra que existem aqueles que se enriquecem usufruindo das carência dos pobres (Pv. 22.16,22). Desde a Antiga Aliança Deus já havia advertido ao povo de Israel para que esse não se aproveitasse dos mais pobres (Dt. 24.14,15; Lv. 19.13). Tiago denuncia o pecado da ostentação, os ricos pecam quando vivem regaladamente, gastam seu dinheiro em coisas supérfluas, apenas para mostrar seu poder de compra (Tg. 5.4). Até mesmo o tráfico de influência é condenado por Tiago, os juízes serão penalizados pelo Senhor, aqueles que se vendem na coorte, para retirar o direito do mais necessitado (Tg. 5.6). Através do profeta Isaias o Senhor chama a atenção dos juristas que criam leis injustas, tão somente visando o desfavorecimento dos pobres (Is. 10.1). Deus já havia orientado os juízes para que não fossem gananciosos (Ex. 18.21), muito menos parciais (Lv. 19.15), e que não aceitassem suborno (Dt. 19.16-19).

3. PARA OS PECADOS DE OPRESSÃO
Amós é um exemplo de profeta que não pactua com os pecados de omissão, e denuncia os pecados de opressão (Am. 5.12,13). De igual modo, Tiago chama a atenção daqueles que acumulam riquezas como um fim em si mesmo. Evidentemente isso nada tem a ver com o cuidado previdente, associado à manutenção da família (II Co. 12.14; I Tm. 5.8; Mt. 25.27). Mas devemos ser cautelosos para não confiarmos nas riquezas, o cristão não pode colocar seu coração no dinheiro. Jesus censurou o rico insensato que pensou ser o dono da própria vida (Lc. 12.15-21). A vida é passageira, e as riquezas não podem garantir vida eterna (I Tm. 6.17). Tiago lembra que as riquezas são passageiras (Tg. 5.2,3), com Paulo assume que nada trouxemos para esse mundo, e que dele nada levaremos (I Tm. 6.7). Portanto, devemos investir na piedade com contentamento (I Tm. 6.6). Há pessoas que estão sendo devoradas pelas próprias riquezas, a paixão pelos bens do presente século está correndo as suas almas (Tg. 5.3). Patrões, sejam eles evangélicos ou não, prestarão contas a Deus quanto à maneira que trataram seus empregados. Os empregadores cristãos têm a responsabilidade de tratar com justiça seus empregados. Eles não podem abusar financeiramente dos seus trabalhadores, atentando para as normas trabalhistas do nosso país. Ao invés de exercitar a ganância, somos orientados pela Palavra a viver com generosidade (II Co. 6.10). E mais que isso, devemos também trabalhar para modificar as estruturas sociais arraigadas neste país. Não podemos acatar com naturalidade práticas que são consideradas normais. Existem pessoas que não fizeram opção pela pobreza, elas se encontram em tal condição por causa da injustiça social. Os cristãos devem dar o exemplo, não apenas “dando o peixe”, mas também “ensinando a pescar”. E quando necessário, denunciar atitudes que cerceie o direito dos pobres e necessitados.

CONCLUSÃO
O pecado é uma realidade, em sua etimologia grega, a palavra significa “errar o alvo”. Fato é que todos pecaram, e por isso foram destituídos de Deus (Rm. 3.23). Mas a graça de Deus, em Jesus Cristo, nos dá gratuitamente a vida eterna (Rm. 6.23). A salvação em Cristo nos impele à responsabilidade social, não podemos nos furtar da defesa pelos mais pobres.  A naturalização da injustiça pode nos conduzir à omissão, e se não estivermos atentos, à opressão. Como crentes em Cristo, devemos fazer a diferença na sociedade, auxiliando aos mais necessitados, e contribuindo para a melhoria e funcionamentos das estruturas sociais, para o bem da coletividade.

BIBLIOGRAFIA
LOPES, H. D. Tiago. São Paulo: Hagnos, 2006.
WEIRSBE, W. W. Exodus: be delivered. Colorado Springs: David Cook, 2010.

quinta-feira, setembro 11

Edital do concurso para escolha do hino oficial do Centenário da IEADERN

edital



abaixo os endereços para o envio:

www.adnatal.org.br / • email: secretaria@adnatal.org.br • fone: (84) 3311-4605 • fax: (84) 3311-4610
Rua Manoel Miranda, 251 – Alecrim • 59037-250 • Natal, RN











fonte: http://www.ieadern.org.br/

EBD 3º TRIMESTRE LIÇÃO 11: O JULGAMENTO E A SOBERANIA PERTECEM A DEUS

Escola Bíblica Dominical


Prof. Ev. José Roberto A. Barbosa
Twitter: @subsidioEBD



Texto Áureo Tg. 4.12 – Leitura Bíblica Tg. 4.11-17



INTRODUÇÃO
Somos tentados a sermos senhores do nosso destino, como diz um conhecido poema,  capitães da própria alma. Nos tempos de “quem sabe faz a hora”, é comum às pessoas dispensarem os cuidados de Deus. Na lição de hoje atentaremos para a necessidade de não incorrermos no risco de julgar os outros. Em seguida, nos voltaremos para a soberania de Deus, diante das possibilidades das decisões centradas no ser humano. Por fim, destacaremos o perigo da arrogância humana, manifestada na presunção, e a importância da humildade na vida do cristão.

1. NÃO JULGAR OS OUTROS
As múltiplas atribuições eclesiásticas nos fazem esquecer de que somos membros da mesma família. Tiago nos lembra de que Deus, em Jesus, nos ensinou a amar uns aos outros, e a tratar o próximo como a nós mesmos (Tg. 2.8). Em relação aos nossos irmãos, quando os julgamos, nos tornamos senhores sobre eles. Devemos sempre lembrar que Deus, e não nós,  é o verdadeiro legislador (Tg. 4.12). Há crentes que não perdem a oportunidade de se colocar diante dos outros membros da igreja. Existem igrejas que, no sentido bíblico-etmológico do termo, são desgraçadas, os membros não têm misericórdia uns dos outros. Há aqueles que torcem, e em alguns casos, favorecem a queda dos irmãos e irmãs na igreja. Philip Yancey costuma dizer que encontra mais graça entre os Alcoólicos Anônimos (AA) do que em determinadas comunidades cristãs. Existem crentes capazes se sentir satisfação com a queda dos outros, e transformá-las em fofoca. E o pior, há os que não se preocupam em ajudar em ver o outro em condição de risco. Quando os vê caídos, ao invés de estender a mão, aproveitam a oportunidade para usar a língua contra o próximo. As igrejas, muito mais do que templos, deveriam ser comunidades de acolhimento. As igrejas não devem fomentar a discórdia, considerando que essa é uma obra da carne (Gl. 5.17-19). Muito pelo contrário, nossa tarefa é a de construir pontes, não muralhas diante dos nossos irmãos. A divisão na igreja, como ocorria em Corinto, é característica de congregações carnais (I Co. 3.1-3).  As “panelinhas” somente servem para incentivar a discórdia, a beleza da igreja está justamente na capacidades de conviver, inclusive com os diferentes. Quem nos julga é a palavra de Deus, ela aponta quando pecamos, e nos dar a possibilidade de arrependimento. Como cristãos devemos fazer o mesmo, até mesmo nos casos de disciplina, essa deve ser feita com amor, visando o reestabelecimento o transgressor (I Co. 5.1-13).

2. A SOBERANIA DE DEUS A BREVIDADE DA VIDA HUMANA
Somente Deus é soberano, isto é, Ele determina, ao Seu tempo, a realização dos seus desígnios. Devemos reconhecer que Deus é Senhor da Sua vontade, Ele não precisa pedir conselhos (Rm. 11.34). Por isso, faz-se necessário reconhecer que diante da complexidade da vida, é Deus que está no comando de todos as coisas (Tg. 4.14). Mas nós, enquanto seres limitados, não podemos determinar como será o futuro, mesmo que tenhamos os devidos cuidados (Pv. 27.1). Jesus reprovou a confiança própria ao contar a parábola do rico insensato (Lc. 12.16-21). Aqueles que acham que são senhores do seu destino, que não depositam sua confiança em Deus, não passam de tolos. Vita brevis, essa é uma declaração latina clássica, que quer dizer “a vida é breve”. Devemos ter sempre diante dos nossos olhos a realidade da morte. Se as pessoas se lembrassem disso de vez em quando, teriam motivos para serem mais humildes. Jó reconheceu que seus dias eram mais velozes do que a lançadeira do tecelão (Jó 7.6). E afirma ainda que nossa vida na terra pode ser comparada a uma sombra (Jó. 8.9) e como se isso não fosse suficiente, defende que o homem nascido de mulher é de poucos dias e cheio de tribulação (Jó. 14.1,2). Moisés, nas palavras de um salmo, também diz que “acabam os nossos anos como um suspiro, pois passa rapidamente e nós voamos” (Sl. 90.9,10). Não podemos ter a ilusão de que somos capazes de controlar nosso futuro. Evidentemente não estamos estimulando a falta de planejamento, que também é um equívoco. Antes devemos colocar nossos projetos diante de Deus, sabendo que somente Ele será capaz de levar nossos planos adiante. Como fazem as pessoas do presente século, não devemos imaginar que estamos no controle das nossas vidas. Quando o Titanic foi construído, tiveram a audácia de firmar que nem Deus seria capaz de afundá-lo, mas a história mostrou o contrário. A torre de Babel é um exemplo bíblico de projeto humano, distanciado das orientações divinas e que resultou em ruína (Gn. 11).

3. A PRESUNÇÃO HUMANA, UM PERIGO DIANTE DE DEUS
Somos seres frágeis, mas nem todas as pessoas se apercebem desse fato. Há aqueles que pensam que são indestrutíveis. Antes de qualquer coisa, destacamos nossa ignorância em relação ao futuro, e que nossa vida passa como um vapor (Tg. 4.14). Por isso, precisamos ter consciência da nossa dependência de Deus (Tg. 4.15). Trilhar o caminho da presunção é demasiadamente perigoso para o cristão. Isso porque a presunção nos faz acreditar que somos senhores do nosso destino (Tg. 4.16). Esse pensamento pode nos conduzir à desobediência, por desconsiderarmos Deus, tornando-O desnecessário. A desobediência premeditada conduz à apostasia, impossibilitando o retorno. Há cristãos que por desconsiderarem Deus, e se acharem senhores das suas vidas, se desviam do caminho. A mensagem de Pedro é de advertência a esse respeito: seria melhor que não tivessem conhecido o caminho da justiça, do que o conhecer e ter se desviado dele (II Pe. 2.21). Devemos seguir o exemplo de Jesus, que aprendeu a obediência ao Pai, e se submeteu até o fim à Sua vontade (Jo. 4.34). Fazer a vontade do Pai precisa ser nossa principal doutrina (Jo. 7.17). Paulo nos conclama a entender a vontade do Senhor (Ef. 5.17), além de ressaltar que essa é boa, agradável e perfeita (Rm. 12.2). Entregar-se à vontade própria é demonstração de presunção, é tornar-se escravo dos próprios caprichos. Ser cristão genuíno é uma atitude de rendição, uma disposição a dizer não a si mesmo, a confiar em Deus. Ser cristão é ponderar, e saber que não é senhor do seu destino, muito menos capitão da sua alma. Ser cristão é uma entrega incondicional à vontade de Deus, uma demonstração de confiança. Quando dependemos de Deus, fazemos nossos projetos, acompanhamos sua execução, mas estamos cientes dos nossos limites. E independentemente dos resultados, reconhecemos que Deus é o Senhor, e que tudo fará conforme Seus desígnios (Rm. 8.28).

CONCLUSÃO
A mensagem de Tiago é oportuna para os dias atuais, considerando que muitas pessoas tornaram Deus desnecessário em suas vidas. Há aqueles que acreditam em Deus, mas vivem como se Ele não existisse. Como cristãos genuínos, devemos colocar o Senhor em cada situação da nossa existência. As mais simples decisões do cotidiano podem ser postas aos pés do Pai, através da oração. Os cristãos, ao contrário do que afirma a filosofia humanista, não é senhor do seu destino, muito menos capitão da sua alma. A vida do cristão está nas mãos de Deus, Ele é, verdadeiramente, o capitão das nossas vidas e o Senhor das nossas almas.

BIBLIOGRAFIA
LOPES, H. D. Tiago. São Paulo: Hagnos, 2006.
WEIRSBE, W. W. Exodus: be delivered. Colorado Springs: David Cook, 2010.

sexta-feira, setembro 5

EBD 3º TRIMESTRE LIÇÃO 10: O PERIGO DA BUSCA PELA AUTORREALIZAÇÃO HUMANA


Escola Bíblica Dominical


Prof. Ev. José Roberto A. Barbosa
Twitter: @subsidioEBD




Texto Áureo Tg. 4.10 – Leitura Bíblica Tg. 4.1-10




INTRODUÇÃO
A sociedade moderna está impregnada pela ideia do sucesso, muitas vezes alcançado a qualquer custo, sem qualquer consideração ética, mais que isso, sem o aval divino. Na aula de hoje estudaremos a respeito dos perigos da busca desenfreada pela autorrealização pessoal, ressaltando, sobretudo, as implicações que essa pode trazer, quando distanciadas dos princípios divinos. Destacaremos, na aula de hoje, que a autorrealização pressupõe uma ética, e que essa deve se respaldar nos princípios cristãos.

1. A AUTORREALIZAÇÃO HUMANA
Nas livrarias os livros que mais são vendidos são aqueles que motivam à autorrealização, esses são comumente reconhecidos como “autoajuda”. Isso porque se fundamentam na concepção de sucesso, independentemente de Deus. O mundo empresarial comprou essa concepção, que é considerada normal em um contexto no qual Deus se tornou desnecessário. Em consonância com Tiago, devemos ter cuidado com a competitividade exacerbada que predomina nos mundo dos negócios, e que, às vezes, está sendo adotado dentro das igrejas. As desavenças no âmbito eclesiástico não têm o respaldo divino (Tg. 4.1). As invejas e cobiças estão sendo colocadas em um patamar que os outros deixam de ser considerados. Há até aqueles que oram com intento de satisfazerem suas vaidades (Tg. 4.3). Devemos tomar cuidado com essas orações, na maioria das vezes elas refletem os desejos mais ocultos, e em alguns casos, sentimentos de ganância. Alcançar determinados espaços não pode ser a razão de ser, a competitividade também tem limites, o respeito ao próximo continua sendo o padrão ético de Jesus (Mt. 22.37). Paulo, em consonância com a mensagem de Tiago, nos orienta a deixar morrer nossos membros, para não sermos controlados pelas nossas paixões (Cl. 3.5-9). Não há limite para a cobiça, em uma sociedade de consumo, quanto mais se tem mais se quer. A propaganda incita à inveja, a buscar primeiro nossos interesses, e colocar os outros em segundo plano, inclusive o reino de Deus. Mas Jesus nos ensina que devemos colocar o reino de Deus primeiro, e as coisas necessárias nos serão acrescentadas (Mt. 6.33). Como o salmista, nosso maior desejo deve ser agradar a Deus, Ele precisa ser sempre nosso maior anelo (Sl. 63.1). Devemos lembrar sempre que o cristianismo nada tem a ver com esses padrões absorvidos pela sociedade. A igreja precisa ser diferente, não apenas no modo de vestir, mas também em seu proceder. Como bem destacou Kierkegaard, “no dia que o cristianismo e o mundo se tornarem amigos, o cristianismo deixará de existir”.

2. O PERIGO DA AUTORREALIZAÇÃO
Esse sistema de autorrealização em que os fins justificam os meios não é cristão, é diabólico. Não devemos esquecer que o mundo jaz no maligno (I Jo. 5.19) e que Satanás, o deus deste século, cegou o entendimento das pessoas (II Co. 4.4). Destacamos algumas das tendências atuais: valorização do temporário em detrimento do eterno (I Co. 7.32,33), a cobiça dos olhos, através da ostentação de bens, que alimenta a soberba da vida, não provém de Deus (I Jo. 2.16); e o desejo desenfreado de ter sempre mais, ao ponto de perder a própria vida (Mt. 16.26; Lc. 9.25). A parábola contada por Jesus, a respeito do rico insensato, deve servir de alerta a todos aqueles que se entregam desordenadamente aos interesses mundanos (Lc. 12.19-21). Muitas pessoas estão trocando o tesouro celestial, que a traça não corrói nem a ferrugem o atinge, pelos tesouros terrenos (Mt. 6.21). Tenhamos cuidado para não nos deixar levar pelo pensamento da maioria, nem sempre a voz do povo é a voz de Deus, como se costuma dizer. Fomos alcançados pela graça de Deus, e essa nos reclama a um modo de viver diferenciado, que não se pauta pelo mundanismo (Tt. 2.11,12). Os valores deste mundo nada têm a ver com os princípios da Palavra de Deus (I Jo. 2.15). Enquanto que a sociedade exalta aqueles que conseguiram “vencer na vida”, a mensagem evangélica diz “Deus resiste aos soberbos, dá, porém, graça aos humildes” (Pv. 3.34; Tg. 4.6). Existe um ranking daqueles que são considerados os mais ricos do mundo, e esse é divulgado todos os anos pelas principais revistas internacionais. Mas será que esses mesmos ricos podem ser considerados assim do ponto de vista de Deus? Os critérios do Senhor em relação ao sucesso são diferentes daqueles apregoados pelo mundo dos negócios. Na perspectiva divina o modelo de sucesso é o de Jesus, que se esvaziou, tomando a forma de servo, de igual modo, devemos considerar sempre os outros superiores a nós mesmos (Fp. 2.3). A fé cristã não exalta, ou pelo menos não deveria, aqueles que conseguiram seu “lugar ao sol”. A preocupação dos cristãos, como foi a de Cristo, deve ser com aqueles que se encontra em condição de vulnerabilidade. O auxílio aos mais pobres é uma missão a ser perseguida por todos os cristãos, levando às pessoas o evangelho integral, que percebe tanto o corpo quanto o espírito.

3. O EQUILIBRO NAS REALIZAÇÕES
A busca pela realização pessoal necessariamente não é pecado, todas as pessoas podem estudar, também comercializar, mas a soberba não deve ser o fundamento de qualquer empreendimento. Em tudo que fazemos devemos estar debaixo da sujeição de Deus, nada temos ou podemos ter sem que Ele nos permita. Ao invés de seguir os ditames deste mundo tenebroso, devemos ouvir a Palavra de Deus, e escolher ir após Jesus, como seus discípulos (Mt. 16.24-28). Para isso precisamos resistir ao diabo, revestindo-nos de toda armadura de Deus (Ef. 6.10-18), não nos dobrando aos seus ardis (Tg. 4.7; I Pe. 5.7,8). Quando mais nos aproximamos de Deus, mais nos distanciamos do alcance de Satanás (Tg. 4.8). O autor de Hebreus nos chama à aproximação de Deus, com um coração sincero e repleto de fé (Hb. 10.22). A adoração ao Senhor é o caminho por meio do qual nos achegamos ao trono da graça, o próprio Deus busca adoradores, que o fazem em espírito e em verdade (Jo. 4.24). É nessa disposição que podemos trabalhar, estudar e fazer qualquer coisa, tudo na fé em Cristo Jesus, que a todos abençoa (I Co. 10.31-33; II Tm. 3.16; I Pe. 2.9). Os cristãos não podem fazer parte do mundo (satânico), mas estão no mundo (físico) a fim de atrair o mundo (pessoas) para Deus. Nessa missão, devemos ter cuidado para não sermos engodados pelos padrões que podem nos distanciar de Deus. Não precisamos entrar nessa competitividade doentia, confiemos no Senhor, assim como fez Abraão (Gn. 13.8). Os cristãos não estão impedidos de estudarem, buscar promoções no trabalho, mas estão limitados pela ética bíblica. Atitudes que envergonham o evangelho não deve ser utilizadas para se alcançar determinado fim. As mãos dos cristãos devem estar limpas, nada de duplo ânimo, isto é, procedimentos contraditórios (Tg. 4.8). Não somos cristãos apenas durante o período que estamos dentro do templo, mas em todos os momentos da vida, vinte e quatro horas por dia.

CONCLUSÃO
Mas para aqueles que se arredaram com o pecado, Tiago nos traz uma mensagem de esperança. É preciso sentir a miséria da condição de distanciamento de Deus, e lamentar o desejo de autorrealização fora dos padrões bíblicos. A conversão é uma possibilidade, que se concretiza na vida daqueles que abandonam o orgulho. O sucesso, como um fim em si mesmo, não tem respaldo escriturístico. A advertência de Jesus nesse sentido é enfática: “Ai de vós, que estais fartos, porque tereis fome, ai de vós, o que agora rides, porque vos lamentareis e chorareis” (Lc. 6.25).

BIBLIOGRAFIA
DAVIDS, P. H. Tiago. São Paulo: Vida, 1997.
SHEDD, R. P.; BIZERRA, E. F. Uma exposição de Tiago. São Paulo: Shedd Publicações, 2010.

sexta-feira, agosto 29

O Novo Nascimento






novo nascimento é a essência na nossa vida, como disse Jesus somente através dele podemos ver o reino de Deus. Não importa o quanto sabemos da biblia... informações bíblicas sem novidade de vida gera RELIGIOSIDADE




João 3:1-10

Havia um fariseu chamado Nicodemos, uma autoridade entre os judeus. Ele veio a Jesus, à noite, e disse: “Mestre, sabemos que ensinas da parte de Deus, pois ninguém pode realizar os sinais milagrosos que estás fazendo, se Deus não estiver com ele”.  Em resposta, Jesus declarou: “Digo a verdade: Ninguém pode ver o Reino de Deus, se não nascer de novo”.  Perguntou Nicodemos: “Como alguém pode nascer, sendo velho? É claro que não pode entrar pela segunda vez no ventre de sua mãe e renascer!”  Respondeu Jesus: “Digo a verdade: Ninguém pode entrar no Reino de Deus se não nascer da água e do Espírito. O que nasce da carne é carne, mas o que nasce do Espírito é espírito. Não se surpreenda pelo fato de eu ter dito: É necessário que vocês nasçam de novo. O vento sopra onde quer. Você o escuta, mas não pode dizer de onde vem nem para onde vai. Assim acontece com todos os nascidos do Espírito”.  Perguntou Nicodemos: “Como pode ser isso?”  Disse Jesus: “Você é mestre em Israel e não entende essas coisas?

Nicodemos era da Israel, para ser uma autoridade nessa patente exigia muito conhecimento das escrituras,  com certeza conhecimentos adquiridos desde sua infância como é costume entre os israelenses.
Isso nos mostra que o novo nascimento é muito mais do que eu sei.  Mas é uma nova vida que só pode ser gerado pir Deus através do Espírito Santo.

Ezequiel 36:27-29
Porei o meu Espírito em vocês e os levarei a agir segundo os meus decretos e a obedecer fielmente às minhas leis. Vocês habitarão na terra que dei aos seus antepassados; vocês serão o meu povo, e eu serei o seu Deus. Eu os livrarei de toda a sua impureza. 

Percebe que vem de Deus? Deus diz:

EU porei o meu Espírito
EU levarei a obedecer meus decretos e leis
EU darei as terras dos seus antepassados
EU os livrarei de toda impureza

O novo nascimento é ums obra exclusiva do Espírito Santo, pois ele que nos convence. O nosso papel é pregar o evangelho verdadeiro a toda criatura. 

Infelizmente muitos dentro das igrejas não nasceram de novo. São religiosos que vivem e usam a palavra de Deus para seu próprio deleite. É muito triste!

O nascer da água não significa o batismo nas águas. O batismo é a  confirmação do novo nascimento que já aconteceu dentro de mim.  A água simboliza a lavagem, limpeza que vem da palavra. E então o nosso espírito morto é vivificado e o Espírito Santo de Deus passa a morar dentro de nós.  Como diz a palavra que ai somos um só Espírito com Deus!

O novo nascimento é a coisa MAIS IMPORTANTE DAS NOSSAS VIDAS. Sem ele continuaremos mortos espiritualmente e condenados a ira de Deus porque somos pecadores, destinados a morte eterna, e sem qualquer possibilidade de mudar nossa situação. 

Mas Deus em sua grande misericórdia nos deu Jesus que nos libertou através da sua morte e de graça recebemos o Espírito Santo. Fomos reconciliados com Deus e recebemos o direito de sermos chamados filhos de Deus.

NÃO perca mais nem um dia da sua vida!  Peça a Deus pra receber o Espírito Santo dentro de você! 

Deus abençoe




fonte: http://atraidapelacruz.blogspot.com.br/
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Receba bençãos no e-mail